Dicas de Cordel

icone facebook icone twitter icone gplus icone whatsapp

CASAMENTO DO CORDEL COM A XILOGRAVURA

dicas-de-cordel

O casamento do cordel com a xilogravura deu-se lá por volta de 1940, quando naturalmente aconteceu o encontro dos dois nas feiras livres do Nordeste. Cordelistas expondo os seus cordéis à venda ao lado de xilogravadores vendendo suas xilogravuras no mesmo ambiente comercial.

Vale salientar que até então o cordel não trazia ilustração em suas capas, apenas o título. Quando muito se usava uma imagem de cartaz que comumente não tinha nenhuma relação com a história escrita. Na época, utilizavam-se imagens de cartazes de filmes e as reproduziam na capa dos cordéis, apenas para ficar bonito. A ilustração podia ser uma moça abraçando um rapaz numa atmosfera romântica, mesmo que o enredo do cordel tratasse de uma briga entre dois fazendeiros da região.

O cordelista ao encontrar com o xilogravador, percebeu que ele produzia em gravura, justamente o assunto do seu cordel, isso porque os motivos de inspiração para os dois distintos profissionais da arte popular eram os mesmos.

Por conta desse inusitado encontro artístico/comercial, o cordelista propôs ao xilogravador que realizassem permutas entre eles, pois que o cordelista poderia vender a xilogravura na capa do seu cordel, ao mesmo tempo em que o xilogravador poderia vender cordel também, ampliando o mercado de ambos no mundo da arte popular daquela época. O interesse do cordelista por tal negócio foi tanto, que compreendendo o momento da oportunidade de mercado, o xilogravador determinava o preço, chegou-se a fazer permutas de 200 cordéis por uma xilogravura.

Com o passar dos anos alguns cordelistas mantinham o mesmo interesse pela xilogravura e passaram a oferecer cordéis, desta feita, por aulas. Assim, muitos cordelistas tornaram-se também xilogravadores e alguns profissionais da gravura, depois de tanto ler cordel, acabaram por escrevê-lo também.

É bom lembrar que nesse período ainda não havia chegado para nós a nomenclatura: Literatura de Cordel. O que havia mesmo era “folheto” ou “romance de feira”, que é mesma coisa.


« Voltar